Psicologia latino-americana participa da 2ª Mostra

Compartilhe:

Experiências de 11 países serão apresentadas durante os três dias do evento. A expectativa só aumenta!

 O Brasil e demais países da América Latina possuem afinidades grandes, que passam não só pela cultura, mas principalmente pelos campos sociais e políticos. Todos possuem desigualdades sociais intensas, marcadas por períodos de escravatura.  A democratização destes países, feita de forma lenta, também se tornou uma marca da política atual dessas nações, que contam  com descendências indígenas e européias.

Essas realidades parecidas acabaram por aproximar a Psicologia desses países, que começaram a trocar informações para ajudar na construção da profissão, sempre tendo em vista as especificidades locais.

E muitas destas práticas estarão reunidas, em setembro, em um  local, mais especificamente no Anhembi, em São Paulo, durante a2ª Mostra Nacional de Práticas em Psicologia, entre os dias 20 e 22 de setembro.

Este grande evento da Psicologia contará com um espaço especial para divulgar práticas de psicólogos latino-americanos dos países que compõem a União Latino-americana de Entidades de Psicologia (Ulapsi). Representantes de 11 nações – Cuba, México, Paraguai, Guatemala, Uruguai, Colômbia, Costa Rica, Bolívia, Chile, Argentina e Peru – devem apresentar mais de 100 práticas locais, com objetivo de ampliar ainda mais o intercâmbio de informações com os profissionais brasileiros.

Segundo Adriana Eiko, representante do Brasil na Ulapsi, o evento é importante para dizer o quanto a Psicologia nesses 50 anos avançou politicamente e está presente nas políticas públicas. “É vital para perceber o tanto que foi repensada a base da profissão no Brasil, e esse diálogo é fundamental também na Psicologia de outros países, que também enfrentam questões sociais e tentam resolver as questões da sociedade”, destaca.

Do lado de lá

Direto de Cuba, o representante da Ulapsi no país, o psicólogo e professor na Universidade de Havana, Manoel Calviño, adianta que muitos profissionais da área estão se mobilizando para entregar os trabalhos a tempo. Segundo ele, até agora foram inscritas iniciativas das cidades de Havana, Matanzas, Cienfuegos e Villa Clara. "Será difícil escolher apenas 10 trabalhos por cidade", ressalta.

As práticas cubanas que serão apresentadas na Mostra passam pelas áreas de saúde, intervenções comunitárias e a experiência de apoio no Haiti, além de vídeos e programas de televisão. “Tiveram dois projetos que mais me chamaram atenção: uma multimídia sobre o trabalho infantil e um vídeo de trabalho comunitário em um bairro marginal usando a prática esportiva como mediadora”, adianta.

Para Calviño, participar da Mostra evidencia os laços de comunidades brasileiras e cubana por meio do intercâmbio de ideias, experiências e compromissos entre os psicólogos de ambos os países. “Queremos aprender e fazer algo similar em Cuba”, projeta.

Os vizinhos paraguaios também estão animados para a 2ª Mostra. Ao todo, foram inscritos 10 trabalhos sobre atividades de educação e prevenção e novas abordagens da Psicologia clínica. “Dois me chamaram atenção: o projeto ‘Clinitaria’, ao mostrar uma maneira distinta de abordar a clínica sob uma perspectiva comunitária; e o projeto ‘psicoparaguayiología’, que traz um espaço criativo para pensar e produzir em função das realidades do contexto paraguaio”, enfatizou Mercedes Argaña, titular da Ulapsi no Paraguai.

Na visão de Argaña, a participação do Paraguai na 2ª Mostra é importante porque constrói parte de uma iniciativa criativa de visibilidade das práticas psicológicas, além de abrir portas para adaptar práticas apresentadas por outras nacionalidades à realidade local. “É importante principalmente para aprendermos sobre práticas que possam ser aplicadas no Paraguai, ao mesmo tempo em que compartilhamos parte do que estamos fazendo no país, fortalecendo vínculos de trabalho em esfera regional”, conclui.

Para os psicólogos de países da América Latina que desejem comparecer na Mostra, mas têm dúvidas do que fazer ou de como vir, podem entrar em contato pelo site da Ulapsi ou pelo secexmostra@cfp.org.br com suas dúvidas que um profissional de referência de seu país poderá auxiliá-lo a comparecer a este grandioso evento.

A reprodução das notícias é autorizada desde que seja citada a fonte: Conselho Federal de Psicologia.

Leave a Comment