Plantão Psicológico: uma tentativa de aproximação

Compartilhe:

A demanda de profissionais de saúde que sentiam a necessidade de expor suas angústias cotidianas deu origem ao trabalho Plantão Psicológico e Programa Saúde da Família: Uma tentativa de aproximação. O projeto, com autoria de seis psicólogas pernambucanas, faz uma análise da prática e resultados do serviço de plantão psicológico, proposto pelo Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) nas unidades básicas de saúde de Pernambuco.

“A origem do projeto veio da observação necessidade dos trabalhadores das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) conversarem com alguém sobre o que acontecia no ambiente de trabalho, então pensamos na implantação do Plantão Psicológico para aquele público”, explica uma das autoras, Jonalva Paranã.

Jonalva é responsável por apresentar a prática na 2ª Mostra Nacional de Práticas em Psicologia, que será realizada entre os dias 20 e 22 de setembro, no Anhembi, São Paulo.

Além de Jonalva, fazem parte da autoria do projeto as psicólogas Grace Liz Dantas, Jamile Drubi de Souza, Morgana Carolina Araújo, Ralliny Soares e Silvia Raquel de Morais.

Falhas que garantem reflexões

Para dar origem ao trabalho, o grupo implantou e acompanhou por seis meses um serviço de Plantão Psicológico nas UBSs - fruto de uma articulação feita entre o estágio de Práticas Clínicas e o PET Saúde do Trabalhador - para atender aos profissionais de saúde durante o horário de trabalho.

Antes do serviço ser iniciado, foi feita uma apresentação e justificativa prévias que aproximavam o público à dinâmica do serviço. O Programa foi então organizado em oficinas articuladas pelas mini-equipes que compunham a linha Saúde do Trabalhador.

Um dos questionamentos que surgiu após a realização do o projeto foi que, ao longo de todo o semestre, somente dois profissionais procuraram o serviço de Plantão Psicológico. “Isto originou diversas indagações que foram avaliadas da seguinte maneira: precariedade de preparação da equipe sobre as perspectivas do Plantão Psicológico”.

A necessidade de comunicações mais efetivas e a dificuldade dos trabalhadores de se aproximarem do plantão, por medo de expor suas fragilidades, também foram alguns dos pontos considerados pelas psicólogas sobre o pouco sucesso da iniciativa.

“O Plantão veio com a proposta de romper com moldes tradicionais de prática psicológica, mas a não compreensão ou não disponibilidade para isso fez do serviço em questão uma continuidade do formato tradicional de clínica: não houve aproximação!”, constatou Jonalva.

Apesar das falhas na execução do projeto, o saldo positivo foi considerado pela equipe no sentido de reavaliação da prática psicológica. E é isto que o trabalho vai contar na 2ª Mostra. “As trocas promovidas por esses espaços sempre produzem novos conhecimentos, e a Mostra irá contribuir com essas reflexões”, conclui a autora.

A reprodução das notícias é autorizada desde que seja citada a fonte: Conselho Federal de Psicologia.

6 Comments

  1. Valdir Melo says:

    Muito Bom. Estarei na amostra para apreciar e aprender esta nova prática de atuação na psicologia.

    Reply
  2. Teresinha says:

    Parabéns pela iniciativa
    Teresinha Queiróz - ilhéus

    Reply
  3. Bárbara Galvão says:

    Bpm, não sei se chamaria de falha,mas cada local tem a sua realidde e a prática é adaptada a cada realidade, seja pela mudança de região(estado,país) ou de local como hospital, escola e outros.Cada grupo é uma grupo e cada sujeito também.
    Parabéns pela iniciativa. Muito bom!! Precisamos de melhorres profissionais na saúde e sabemos que muitos problemas acontecem por falta desse espaço individual ou em grupo que demanda mesmo que inconscientemente,cada profissional de saúde.

    Reply
  4. Gomes says:

    Concordo com a colega Bárbara Galvão, precisamos sempre de bons profissionais na saúde. Parabéns pela inciativa.

    Reply
  5. Janine says:

    Cada contexto apresenta uma demanda no que diz respeito a proposta e objetivos da pratica do Plantão Psicológico. No entanto, visto as enormes demandas de sofrimento humano no contemporâneo, como também, o mito e pre-conceito ainda tão presentes e fortes na procura de um psicologo, se faz necessário um aprofundamento dos objetivos e aplucabilidades dos benefícios de um plantão. Pratica esta, que precisa ser melhor refletida r estudada nas graduações e divulgada socialmente. O estudo instiga a esta necessidade. Parabéns pela iniciativa!

    Reply
  6. Jacqueline Nunes de Menezes says:

    Já inauguramos o serviço de Plantão Psicológico em algumas faculdades daqui do Recife, o que tem se revelado uma prática muito rica para os alunos e acolhedora para a população que é carente desta prática psicológica. Levaremos trabalhos de alunos da Estácio para a Mostra Nacional, inclusive uma experiência fora do âmbito institucional. Lá nos encontraremos e trocaremos nossas experiências. Parabéns. Um abraço: Jacqueline Nunes de Menezes. Psicóloga Clínica e Professora.

    Reply

Leave a Comment